Ele morreu no domingo após um acidente envolvendo um carro de luxo na BR-101, em Biguaçu.

Cerimônia foi realizada na manhã desta segunda-feira em Içara.

Cerimônia de despedida de Roberto Angeloni, de 51 anos, será em Içara Lariane Cagnini/ NSC Amigos e familiares de Roberto Angeloni, de 51 anos, participaram de uma cerimônia de cremação na qual prestaram as últimas homenagens ao empresário durante a manhã desta segunda-feira (30), em Içara, no Sul catarinense.

A morte ocorreu no domingo (28) na BR-101 em Biguaçu, na Grande Florianópolis, após um acidente violento envolvendo o carro de luxo conduzido por ele, que chegou a partir ao meio com o impacto.

Desde o início do velório, às 9h, dezenas de pessoas compareceram ao local para se despedir, mas preferiram não falar com os jornalistas.

Inicialmente, durante uma hora, o acesso ficou restrito aos familiares.

Depois, a sala foi aberta para receber as autoridades, funcionários da rede e amigos.

Muitas delas ficaram do lado de fora do crematório para evitar aglomerações por conta da pandemia.

A cremação foi antecipada, a pedido da família, em uma hora e foi realizada por volta das 12h.

Carro ficou destruído após bater na lateral de outro veículo e, depois, em um poste em Biguaçu, na Grande Florianópolis Odemar Andrade/NSC TV Em nota, o governador Carlos Moisés (PSL) manifestou pesar e se solidarizou pela perda.

“Enviamos à família Angeloni nossa manifestação de pesar e condolências pelo falecimento de Roberto Angeloni, ocorrido neste domingo.

Que Deus o receba e conforte a família e amigos”, disse o governador. Roberto Angeloni era filho do fundador da Rede Angeloni, que tem supermercados, farmácias, postos de combustíveis e centros de distribuição de mercadorias.

O empresário era natural de Criciúma e deixou os pais, Antenor e Nolênia, os irmãos Cristina e Henrique, sobrinhos, tios e primos. Roberto Angeloni, de 51 anos, morreu em acidente de trânsito em SC Divulgação/Rede Angeloni Acidente O acidente foi no km 184,7 da pista, sentido norte (Curitiba), na faixa de acesso ao Posto Tijuquinhas.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), é possível afirmar que o carro em que estava o empresário estava acima do limite de velocidade permitido, mas a perícia ainda vai precisar a quantos quilômetros por hora o veículo trafegava. Conforme a PRF, Angeloni perdeu o controle do carro depois de passar por algumas ondulações na pista.

Na sequência, bateu na caminhonete, saiu da rodovia, entrou no pátio do posto e atingiu o poste, que foi derrubado com a força da colisão. "Fizemos no domingo todo o levantamento e estamos fazendo o laudo pericial, que 10 a 15 dias deve ficar pronto, elucidando as causas e como ocorreu esse acidente", explica o inspetor Luiz Graziano, chefe de comunicação da PRF. No outro veículo estavam duas pessoas: o motorista, que não teve ferimentos, e uma passageira que ficou levemente ferida e foi levada ao Hospital Regional de São José. Veículo em que estava Roberto Angeloni ficou destruído após batida em SC Divulgação/PRF-SC Veja as notícias do estado no G1 SC